Economia

ONU diz que 2023 será ano de recessão global e que América Latina será a mais afetada

Uma possível recessão global não é mais mera especulação para a Organização das Nações Unidas (ONU). A principal organização multilateral do mundo dá como certa a crise global em 2023.

Além disso, segundo a ONU, as nações mais afetadas serão as da América Latina. A posição da entidade está em um documento publicado recentemente intitulado “Perspectivas de desenvolvimento em um mundo fraturado”.

A análise da ONU coloca o foco sobretudo nas regiões mais fracas como as da América Latina, por exemplo. Os analistas da ONU acreditam que a América Latina será palco de uma das desacelerações mais preocupantes desta década.

“Todas as regiões vão sofrer, mas os alarmes estão soando mais para os países em desenvolvimento, muitos dos quais estão se aproximando do calote na dívida”, diz a ONU.

ONU prevê uma recessão global para o ano de 2023

De acordo com os dados fornecidos pela pesquisa, a taxa média de crescimento ficará abaixo de 3%. E o valor baixo afetará as finanças públicas e privadas, bem como o emprego.

Conforme destacou a ONU, vários fatores desencadearam a desaceleração da economia e a inflação mundial. Entre eles estão a queda na confiança dos consumidores e investidores e a guerra entre a Ucrânia e a Rússia.

Como se sabe, uma das causas da inflação é a emissão indiscriminada de dinheiro pelos governos e bancos centrais. Enquanto isso, com o Bitcoin acontece o contrário, pois o ativo tem uma emissão limitada de 21 milhões de BTC.

A ONU também apelou ao Federal Reserve (FED) para que, ao tomar decisões econômicas, olhe para as pessoas e não apenas para a matemática.

“As ações do Fed ameaçam cortar completamente o crescimento e tornar a vida muito mais difícil para empresas, famílias e governos altamente endividados”, disse a ONU.

As previsões da ONU coincidem com as do investidor bilionário Stanley Druckenmiller, que vê uma recessão como provável até o final de 2023.

Compartilhar